Comentários do Fórum

COVID prorroga prazos
In PLANOS TERRITORIAIS
Nuno Pinheiro
11 de mai. de 2020
@Débora Caires esclarecedor! Obrigado!
0
COVID-19
In TEMAS INTERNACIONAIS
Nuno Pinheiro
11 de mai. de 2020
É um tema interessante. Não me parece ser tão linear. Se pensarmos nas operações ocorridas em grandes cidades que trouxeram ou implementaram novos modelos de desdenho de território, notamos que a saúde e a higiene foram determinantes na sua configuração, ou pelo menos, no abandono de um modelo em favor de outro. Se Cerdá em Barcelona ou Haussman em Paris são paradigmas de novos modelos, por cá, se Lisboa foi reconstruída (baixa) por força de uma catástrofe natural (Marquês de Pombal), já o Porto herdou esse espírito renovador (João de Almada), e implementou o modelo com o objectivo de higienizar a cidade - recorde-se Ricardo Jorge e o episódio da peste no Porto. Hoje a questão do distanciamento físico, do transporte (público e privado), do digital e do trabalho à distância, vêm somar-se (e até repetir-se) às questões de sustentabilidade que têm alimentado o discurso de urbanistas e outros pensadores da cidade. A adaptação das cidade é lenta, e reativa. Não sendo esta circunstância acompanhada de catástrofe física, não havendo devastação do espaço construido, não será de prever a implantação de novos modelos como os que referi. Mas a adaptação já se publicita, e apesar de se presumir temporária, não sabemos o que vai sobrar das opções que estão a implementar cidades como Barcelona ou Milão: diminuir o espaço da circulação automóvel, para aumentar o espaço da circulação de peões e modos suaves. Responde no imediato à questão do distanciamento físico, e a uma outra escala, à dimuição das emissões de carbono. O ar das cidades será concerteza melhor. Voltarão atrás?
1
0

Nuno Pinheiro

Mais ações